9 de dez de 2013

Futebol, paixão, bullying, barbárie

Costumo dizer que a Terra não é redonda por acaso: a gente sempre se encontra lá na frente...

No final de 2012, a torcida alvinegra foi bastante tripudiada porque o Botafogo foi o único time carioca a ficar de fora da Copa Libertadores de 2013. 
Nenhum dos adversários cariocas, no entanto, sequer disputou a finalíssima da "Liberta", foram lá apenas para fazer figuração; ou seja, não tinham time para competir de verdade (como o Botafogo de hoje, que mesmo que se classifique na próxima quarta-feira - depende do resultado do jogo Ponte preta X Lanuz (ARG) - também não tem).
 
Muitos levam a paixão pelo time que torcem tão a sério que, no afã dos insucessos do time adversário, perdem a linha e, sem pensar, ofendem ou magoam os próprios familiares e amigos que torcem - alguns tão apaixonadamente como eles - para estes times adversários. (aqui faço um possível mea-culpa, já que posso ter feito isso no passado, sem perceber; mas um dia a gente tem que amadurecer, né?)
Isso quando não se envolvem em conflitos bem mais sérios fora ou dentro dos estádios, como o que ocorreu ontem no jogo Atlético-PR X Vasco.

A queda de Fluminense e Vasco para a "segundona" é um "prato cheio" para os torcedores adversários, mas em respeito aos meus amigos e familiares tricolores e vascaínos, eu, particularmente, abstenho-me: os próprios dirigentes destes times já zoaram o suficiente as suas respectivas torcidas.