27 de jun de 2012

10 por cento do PIB para Educação aprovado na Câmara em junho/2012!

A Câmara aprovou o Plano Nacional de Educação, que inclui uma meta de investimento de 10% do PIB em educação, a ser alcançado no prazo de dez anos. 10 anos! Mas já é um começo...
O plano prevê, também, entre outras coisas, a equiparação da remuneração dos professores com a de outros profissionais com formação superior.

A conclusão da votação do PNE, adiada diversas vezes, se deu em parte pela PRESSÃO DOS ESTUDANTES que lotaram o plenário da comissão.

Falta agora a aprovação no Senado e, depois, a sanção presidencial.

Aloizio Mercadante (por hora, Ministro da Educação):
"É uma tarefa política difícil de ser executada”.
O MEC diz que estudará as repercussões e as implicações da decisão e aguardará ainda a tramitação do plano no Senado Federal.

(Fonte: Estadão)

Me parece que ministro e Ministério, em vez de lutar por isso, torcem contra.

Que no final das contas, os recursos cheguem onde realmente devem chegar.

20 de jun de 2012

Lula, Maluf e o câncer

Creio que, estando aqui neste bendito planeta, temos uma oportunidade "única" de nos tornarmos melhores a cada dia, e penso que, às vezes, uma doença grave nos "ajude" individualmente neste propósito. Normalmente, diante do sofrimento ou da morte, cada ser humano repensa a própria vida e busca formas de prolongá-la e torná-la melhor para si.

Lula, ao se aliar politicamente a um criminoso internacional como Maluf após ter se tratado de algo tão agressivo como o câncer, jogou no lixo a oportunidade de se tornar uma pessoa melhor através da doença.
Com isso ele prova que nao se importa com o povo, mas com a política, o poder e o dinheiro. Prova que não melhorou nada como ser humano.
Tenta provar que pode ser pior que um câncer.

6 de jun de 2012

A sacola do supermercado e a Rio+20

Para não perder a viagem da Rio+20, retorno* ao assunto da extinção das sacolas plásticas que recebemos nos supermercados ao fazer nossas compras: com tantos produtos embalados em plástico que levamos para casa...

Açúcar
Achocolatado
Adoçante
Arroz
Biscoito
Feijão
Farinha de mandioca
Fubá
Sal
Café
Óleo
Maionese
Extrato de tomate
Ervas aromáticas
Temperos
Coco ralado
Pão de forma
Batata palha
Macarrão
Queijo ralado
Margarina
Queijos
Iogurtes
Requeijão
Salsicha
Sabão em pedra
Sabão de coco
Sapólio
Detergente
Desinfetante
Esponja de aço
Água sanitária
Lustra-móveis
Limpa-tudo
Amaciante
Álcool
Sabonetes
Creme dental
Escova de dentes
Desodorante
Xampu
Condicionador
Papel-alumínio
Papel de PVC
Papel Toalha
Sabão em pó

...além de muitas outras embalagens recicláveis que normalmente vão para o lixo, como...
Metal/vidro:
Azeite
Leite de coco
Inseticida

"Tetra pak":
Leite Condensado
Creme de leite
Molho pronto

Papel/isopor:
Maisena
Gelatina
Chás
Cereal matinal
Caldo de carne
Caldo de galinha
Ovos
Sabão em pó
Fósforo
Lâmpadas

...por que este interesse em acabar apenas com a sacolinha?


A Rio+20 e a reciclagem no BR

A Rio+20 é a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (UNCSD) que está sendo organizada conforme a Resolução 64/236 da Assembleia Geral da ONU (A/RES/64/236). Será realizada aqui no Brasil, de 20 a 22 de junho de 2012. Os temas abordados serão, em linhas gerais: Empregos, Energia, Cidades, Alimentos, Água, Oceanos e Desastres.

Às vésperas do evento, no último dia 03 de junho, foi fechado no Rio de Janeiro o aterro sanitário de Jardim Gramacho (saiba mais clicando aqui e aqui). Fato emblemático, e necessário. Mas, se por um lado resolve a destinação de parte do lixo desta cidade, não resolve o problema da parte restante. Aí deveriam entrar as políticas de incentivo à reciclagem de lixo. Muito pouco do lixo e dos bens inservíveis produzidos no Brasil é reciclado. Segundo a reportagem de um Jornal da TV, "O Brasil tem capacidade para reaproveitar mais 30% das garrafas descartadas, só não consegue por falhas na coleta do lixo. Nove trilhões de garrafas pet são produzidas anualmente no Brasil. Depois de usadas, 44% delas acabam no meio ambiente.". As falhas na coleta do lixo, no entanto, não são a única razão, e não somente as garrafas pet são recicláveis. A coleta de lixo seletivo merece mais incentivo, e isso cabe às prefeituras, mas havendo incentivos também à criação e ao desenvolvimento de indústrias de transformação e de aproveitamento dos resíduos recicláveis, mais empregos seriam gerados e, de quebra, haveria mais qualidade de vida para a população.

A questão a resolver é que, se alguém no topo da cadeia produtiva não tem qualquer ganho, não se interessa em produzir,e isso afeta a todos que estão na base. Como exemplo, há algum tempo eu fiz uma arrumação em casa, e separei algumas embalagens grandes de papelão para descartar. Ofereci de graça para um carroceiro da vizinhança, que recusou dizendo que "papelão não dá dinheiro" (ele costuma pegar utensílios de ferro descartados e queimar fios para separar o cobre e vender). Na visão - economicamente justa - do tal homem, o custo de pegar o papelão e por na carroça junto com outros cacarecos que levaria para vender a um ferro-velho não compensaria o "esforço". Fiquei decepcionado, e deixei o papelão para a companhia de limpeza levar. Deve ter ido parar em gramacho... com alguma sorte, algum catador o encontrou e trocou por um copo de café quente.

Imagino que este tema seja muito específico para constar na pauta da Rio+20, mas desejo que ele possa, ao menos, ser abordado com mais frequencia no país, daqui em diante. A sustentabilidade também passa por aí.