30 de dez de 2010

Ladrão que rouba ladrão: Bandidos invadem instituto penal e roubam pagamento de presos.

Bandidos armados invadiram Instituto Penal Agrícola em Rio Preto, SP, e roubaram dinheiro do pagamento de salário dos presos. 


Cem anos de perdão para eles?

Como será que os prejudicados se sentiram, no lugar de vítimas?


Fonte: regiaonoroeste.com

O que pode ser mais urgente que o aumento de salário dos parlamentares?

O governo Lula acabou e ficaram pendências para o novo, o que é normal. Mas o crescimento do Brasil e a melhoria de vida da população dependem da prioridade de temas que já vem sendo adiados por tempo demais, como saúde, educação, saneamento básico e as reformas política e tributária.

No acaso das reformas, será preciso mudar a constituição, o que não é tão simples, já que ao menos dois terços dos parlamentares do Congresso precisam ser convencidos das alterações.
Então, se a coisa toda é necessária e demorada, não é melhor começar agora, e em regime de urgência, exatamente como quando eles querem aumento dos próprios salários?

Ou vamos continuar vendo o projeto de nação ser varrido para baixo do tapete durante os próximos quatro anos?

A passeata dos cem (100, uma centena) contra o aumento dos parlamentares

"Em protesto contra reajuste dos parlamentares, estudantes fazem manifestação em frente ao Congresso..." 
Fonte: O Globo

Segundo O Globo, Foram centenas de estudantes (segundo vi em algum telejornal, foram cerca de cem gatos pingados), num momento em que praticamente não havia nenhum parlamentar por lá para ver e ouvir os protestos. Mas mesmo assim, merecem aplausos por terem tido a iniciativa de fazer o que a imensa maioria da população queria ter feito, mas não o fez; alguns, por estarem muito ocupados trabalhando e sem grana para ir à Brasília (eles não deixam sobrar, né?!), e outros, por já estarem muito envolvidos em questões de menor importância ou menos urgência nas redes sociais.

Todo protesto contra os abusos destes senhores que não merecem nosso votos é questão de urgência, mas infelizmente Brasília fica longe dos grandes centros, e eles não ficam por lá no final de semana, quando o povo poderia se reunir e ir para as ruas sem risco de descontos de salários ou de perda de emprego. A Internet seria a melhor opção de protesto então, mas a mobilização para este tipo de causa não tem a mesma força e velocidade que uma campanha do tipo "Cala a boca, Galvão!".

Quem sabe, 2011 não seja diferente...

23 de dez de 2010

"Como é que Papai Noel não se esquece de ninguém?" Um Feliz Natal pra você!

"Como é que Papai Noel não se esquece de ninguém?", diz a canção natalina.
Esquece sim. E ainda por cima é elitista: não adianta você se comportar exemplarmente, se seus pais não forem abastados ou se você tiver nascido numa periferia qualquer. Sem ganhar modernos, tecnológicos e coloridos brinquedos, você  tem que se virar para brincar. Pelo menos, pode desenvolver sua criatividade...

Agora, deixando a ironia de lado, digo que gosto do Natal, sim. Já tive uma longa fase de melancolia nesta época, e nem sei bem porque. Talvez por discordar do consumismo desenfreado que entorpece os verdadeiros sentimentos e emoções, que deveriam estar presentes nestes festejos. Os indivíduos, preocupados com suas compras, com seus horários, com seus afazeres, com o calor, com a chuva, com o trânsito, com seu umbigo, esquecem-se  - como o fazem durante todo o ano, na maior parte dos casos - de que ao seu lado há outras pessoas de carne, osso e sentimentos, como os seus. A disputa por espaços, tempo e objetos passa a ser mais importante do que as mais simples frases básicas da boa convivência  ("Por favor", "Com licença" e "Obrigado"). Hoje mesmo, vi na rua um cara que desceu do carro para discutir com o motorista de um ônibus, fechando o trânsito movimentadíssimo.E para que tudo isso? Para comemorar um "tempo de paz e união entre os povos". Mas se o objetivo é esse, porque fazer justamente o contrário? (Acho que descobri a origem daquela minha melancolia...)

Se não posso mudar o mundo, mudo eu: hoje curto bastante os festejos de fim de ano, mais ainda porque aprendi a  valorizar o que realmente interessa nesta vida: nossos afetos. A ausência física de alguns deles, temporária ou definitiva, não é impedimento: sei que aqueles que me amam e torcem por mim continuam a fazê-lo, deste ou de outro plano.
Aproveito também as coisas de material que tenho, minha saúde e as oportunidades que tenho para estar junto com a família e com os amigos nestes dias de festa, e nos outros dias do ano, curtindo aquilo que é realmente essencial (invisível aos olhos).
Desejo que VOCÊ entenda e também possa aproveitar isso, neste Natal e em todo o Ano Novo! Só assim se pode ser feliz, mesmo que todos ao seu redor estejam trabalhando contra. Eles ainda não aprenderam a amar.

O pai, o filho vadio, o político e o professor

Não tenho o hábito de reproduzir anedotas aqui, principalmente se não servirem para nada além de provocar riso. Esta eu recebi e achei bastante oportuna, após o exorbitante aumento de salário dado aos parlamentares, pelos parlamentares. Enjoy (ou enojem-se).

"O cara termina o segundo grau e não tem vontade de fazer uma faculdade. O pai, meio mão de ferro, dá um apertão:
- Ah, não quer estudar? Bem...perfeito. Vadio dentro de casa eu não mantenho; então vai trabalhar...
O velho, que tem muitos amigos, fala com um deles, que fala com outro até que ele consegue uma audiência com um político que foi seu colega lá na época de muito tempo atrás:
- Rodriguez!!!! Meu velho amigo!!! Tu te lembra do meu filho? Pois é, terminou o segundo grau e anda meio à toa, não quer estudar. Será que tu não consegue nada pro rapaz não ficar em casa vagabundeando?
 ...
Aos 3 dias, Rodriguez liga:
- Zé, já tenho. Assessor na Comissão de Saúde no Congresso, R$ 9.000,00 por mês, prá começar.
- Tu tá louco!!!!! O guri recém terminou o colégio, não vai querer estudar mais; consegue algo mais abaixo...
...
Dois dias depois:
- Zé, secretário de um deputado, salário modesto, R$ 5.000,00, tá bom assim?
- Nãooooo, Rodriguez; algo com um salário menor, eu quero que o guri tenha vontade de estudar depois....Consegue outra coisa.
- Olha Zé, a única coisa que eu posso conseguir é um carguinho de ajudante de arquivo, alguma coisa de informática, mas aí o salário é uma merreca, R$ 2.800,00 por mês e nada mais.
- Rodriguez, isso não, por favor, alguma coisa de R$ 500,00 ou R$ 600,00, prá começar.
- Isso é impossível Zé!!!
- Mas, por que???
- Porque esses são por concurso para Professor, precisa título superior, mestrado etc... É difícil!"

21 de dez de 2010

Quinze anos de "Então é Natal"...

Há quinze anos, nessa época, somos bombardeados onde quer que estejamos, com a Simone cantando a versão de Cláudio Rabello para Happy Xmas - War is Over, de Lennon e Yoko.
Nunca gostei da versão - embora na competentíssima voz e no talento inquestionável de Simone - simplesmente por não apreciar muito versões nacionais para sucessos compostos em outras línguas; mas acho que faço uma ou outra exceção.
No caso de Então é Natal, o espírito natalino - a meu ver - se perde nas inúmeras repetições. Em todo canto está tocando a música. A original, na voz de Lennon, me soa bem aos ouvidos, mas mesmo assim com reservas. Será que não dá para tocarem, regravarem, criarem outras músicas natalinas?
Ah, ia esquecendo daquela de Ano Novo, "Marcas do Que se Foi" (de Roberto Pera e Flecha). Figurinha fácil, tanto quanto "Fim de Ano" (Adeus Ano velho, feliz Ano Novo...), de Francisco Alves e David Nasser.

Algo de novo no Front? Hein, hein?...


Fonte: http://letras.terra.com.br

16 de dez de 2010

2011: O ano em que perderemos (mais) contato: Aumenta o salário dos parlamentares, a partir de 62%.


Câmara e senado aprovam aumento do salário de parlamentares em 61,83%.
(Ao que parece, o dia do palhaço ainda está sendo comemorado por eles...)
E eu continuo não achando graça.

Deputados Federais e Senadores aprovaram em regime de urgência o reajuste de seus próprios salários, o do presidente da República e de seu vice, e os dos ministros de Estado, a saber:

 Deputados Federais e Senadores: 61,83%
Presidente da República: 133,96%
Vice-presidente  e ministros de Estado: 148,63%

O PSol foi o único partido que tentou impedir a aprovação, e nas palavras do seu deputado Chico Alencar, "Essa decisão aprofunda o abismo entre a sociedade e o parlamento. É uma demasia.
Do PSB, a deputada Luiza Erundina (SP) discursou contra a aprovação do projeto, questionando a falta de discussão sobre a proposta de reajuste e de não haver a transparência necessária para a sua aprovação, já que o projeto foi apresentado pela Mesa Diretora da Casa no momento da sessão. Outros deputados se manifestaram contra, como Fernando Gabeira (PV-RJ), Ivan Valente (PSOL-SP) e Marcelo Itagiba (PSDB-RJ).
No Senado, apenas a senadora Marina Silva (PV-AC) e o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) se manifestaram contra a proposta. Segundo Marina, é injusto que os parlamentares recebam reajustes muitas vezes superiores aos dos demais servidores públicos do País.

Segundo os parlamentares e a imprensa, o último reajuste deles foi em 2007 (28,5%), repondo uma inflação acumulada de quatro anos.
De fevereiro de 2007 a novembro de 2010, o IPCA, índice oficial de inflação, foi de 20,9%. Bem inferior aos quase 62% de agora.

Cabe lembrar ou relembrar que deputados e os senadores recebem 15 (quinze!) salários por ano, e que o aumento salarial provocará um efeito cascata nas Assembléias Legislativas dos Estados e nas Câmaras Municipais. Além disso, seus vencimentos têm como parâmetro os salários Ministros do STF, que já pleiteiam 14,8% para 2011 (o que elevaria seus salários para R$ 30 mil), provocando novo aumento cascata nos salários da Justiça e de outras categorias do serviço público.

Obviamente, quando se têm a oportunidade de aumentar os próprios salários, fica difícil lembrar que estes salários são pagos pelo povo,e que isso direta ou indiretamente inviabiliza a vida de quem não é parlamentar, ou não se enquadra em nenhuma das categorias de reajustes mencionadas acima. Não somente inviabiliza a vida econômica, mas toda ela, já que no final das contas, falta saúde, falta educação, falta saneamento, falta habitação...  Tudo isso por falta de ética, falata de bom senso, falta de compromisso com o povo,  falta de humanidade, falta de vergonha na cara.

O Brasil precisa ser viável para todos, já que todos dependem uns dos esforços dos outros, e se este padrão de comportamento dos que "comandam" a nação não mudar,  quebraremos (nós e nossos descendentes) todos juntos. O que está ocorrendo gradativamente pode ser comparado a um comandante de um navio que, do alto da torre de comando, em alto mar, resolve mandar a tripulação fazer buracos no casco da embarcação, sem prever as consequências.

Se o salário mínimo nacional acompanhasse o reajuste dos parlamentares – e por que não? – estaria valendo em 2011, aproximadamente, de R$ 615,00 a R$ 945,00.

Isto mesmo: salário mínimo nacional de R$ 615,00 a R$ 945,00. Nem os R$ 510,00 atuais, nem os R$ 560,00 propostos para 2011 pelo governo, nem os R$ 600,00 prometidos na campanha do candidato derrotado à presidência .

Sonho com um dia em que haverá em nossa Constituição um item (um "remendo constitucional") estabelecendo o mesmo percentual de aumento para ministros do supremo, para parlamentares e para o povo, se necessário, com votação por plebiscito. Meu único temor é que aqueles que preferem tudo da forma como está, não se importarem se o país quebrar de vez.

Finalizando, manifesto minha plena satisfação com os parlamentares que escolhi nas últimas eleições, e que realmente fazem jus aos meus votos.


Fontes:
http://www.estadao.com.br
http://www.portalbrasil.net
http://br.noticias.yahoo.com
http://www.uai.com.br