6 de jul de 2011

Fora de rumo sem Maiakóvski

"Na primeira oportunidade eles se aproximam e roubam da Educação. E não dizemos nada. 
Na segunda oportunidade, já não se escondem: roubam da Saúde, matam nossa Segurança, e não dizemos nada. 
Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa legislativa, rouba-nos a Habitação, permite que explodam bueiros nas ruas, instalam o caos nos Tranportes, e conhecendo nossa passividade, arranca-nos a dignidade. E já não conseguimos dizer nada"

Adaptação do trecho do poema de Eduardo Alves da Costa, atribuído por mais de 30 anos ao russo Vladimir Maiakóvski. (http://www.revista.agulha.nom.br/autoria1.html)

Um comentário:

  1. Muito boa a adaptaçào.
    Triste é a realidade que ela estampa de forma tão clara.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.