22 de nov de 2011

De filé, osso e royalties

A famosa dupla Ibsen & Humberto (bem como todos os seus fãs) já deveria estar pensando em como se fará a distribuição dos danos ambientais causados por vazamentos de petróleo na costa brasileira.
Para se fazer justiça, conforme prega a Emenda Ibsen, o prejuízo deveria ser assim repartido:


Todos os estados brasileiros ficam com 30% do prejuízo;
todos os municípios, com outros 30%; e
a União fica com 40%.

A principal dúvida é relativa a logística de recolhimento e despejo de todo óleo não recolhido (e da fauna e flora marinhas danificadas), por cada estado e lá em Brasília. Será levado por caminhões, trens, aviões ou helicópteros?

Todos querem o filé, mas será que vão querer roer o osso também?
Se o petróleo é "nosso", são "nossos" também os possíveis prejuízos decorrentes de sua extração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.