12 de fev de 2010

Telejornais, poupem-me dos detalhes sórdidos!


Quando jovem , ouvia falar em "imprensa marrom" e em jornais que, espremidos fossem, escorreriam sangue...

Estudando ética na comunicação, descobri que a imprensa séria mostra e narra os fatos buscando preservar o espectador/leitor de detalhes que possam chocar ou causar repulsa no público.

Hoje, assistindo telejornais conceituados, não vejo tais imagens, mas ouço os detalhes sórdidos que, de certo modo me chocam, e considero desnecessários na informação, já que não tive qualquer intimidade com as vítimas, nem sou investigador/delegado/policial ou coisa parecida, que cuidem do caso.

"Fulano foi assassinado, e teve a garganta cortada por um estilete."

(bastaria "Fulano foi assassinado." para se entender.

"A pedra esmagou a cabeça da vítima."

(que tal "Uma pedra atingiu a vítima."?)

"Quando o socorro chegou, a faca ainda estava cravada no peito da mulher."

("A mulher morreu em consequência de uma facada")

"Na queda, o corpo se espatifou contra o solo."

(bastaria dizer o vitimado não resistiu à queda.)


Certamente, há casos em que algum detalhe é indispensável para se enternder o que houve:

"... O menino ficou preso no cinto de segurança, do lado de fora do carro, durante a fuga dos bandidos,e não resistiu as ferimentos."

(dizer que ele foi arrastado por vários quilômetros e que tipos de ferimentos sofreu antes ou depois de morrer, é totalmente dispensável.)


Será sério este tipo de jornalismo? Como serão as reuniões de pauta nas redações, em que se escolhem as principais notícias a publicar/apresentar? Será que as que têm detalhes sórdidos têm a prioridade? Serão estes jornalistas uns sádicos?
Veja logo mais, num jornal nacional qualquer.

Um comentário:

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.