26 de out de 2010

O uso da questão do aborto como trampolim eleitoral

Creio que ninguém pode dispor da vida (corpo) de outra pessoa sem permissão desta.
Alguns consideram que o embrião/feto já é uma vida (corpo) em formação; e como ele não consegue expressar se autoriza ou não sua própria extinção, não deve ser retirado.
Já aqueles que não pensam, ou não concordam que a vida do embrião/feto já está iniciada, acham natural que haja a opção pelo aborto.
É mais uma questão de ótica (filosófica) do que de religião, moral ou científica. As regras de uns não se aplicam aos outros. Neste caso, também não se pode impor a outra pessoa que ela siga um determinado sistema filosófico, religioso, moral ou científico.
A única certeza é que, independente do motivo pelo qual se procure o aborto, ele continuará sendo solução para muita gente, sendo ou não legalizado. Não há como um poder terreno impor a alguém que o faça ou que deixe de fazê-lo. O agravante é que, não sendo legalizado, ele é feito em clínicas e por profissionais que não passam por qualquer tipo de controle e fiscalização; é inevitável para as mulheres a exposição aos riscos de contaminação e/ou de morte, neste lugares.
Mais eficiente seria a educação de uma forma geral, mostrando ao indivíduo o que ele pode fazer por si mesmo na sociedade, despertando-lhe para as responsabilidades e consequências que lhe cabem.

A opinião acima busca ser isenta; a discussão é saudável e necessária, principalmente quando o tema vira foco de uma disputa eleitoral em que um candidato se diz "do bem", apregoando ao seu adversário o rótulo "do mal", baseado na falta de interesse em se discutir o assunto mais profundamente com o adversário e, por conseguinte, com a própria sociedade.

E, antes que chovam críticas, adianto que sou contra o aborto.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Edu,
    achei muito sensível a forma como vc conduziu a questão, que tanta polêmica causa.
    Do ponto de vista jurídico, defende-se o aborto como um direito da mulher, pois, para o Direito, a vida se inicia com o nascimento (entenda-se, com o bebê respirando pela primeira vez) e termina com a cessação da atividade cerebral.
    O problema maior é que há uma enorme manifestação da Igreja contra o aborto, o que, inclusive, gerou bastante polêmica no STF, pois defendem que se Deus deu a vida, apenas Ele poderia tirá-la. Mas isso gera outros entraves, como, por exemplo, a questão da fecundação in vitro e a utilização dos óvulos fecundados.
    Vc tem total razão em sua abordagem: é uma delicada questão de ponto de vista...
    E, que vergonha! Esse não deveria ser um tópico a ser utilizado para "fins eleitoreiros"...
    Que tal se os candidatos aproveitassem o tempo que lhes resta de campanha para discutir suas plataformas políticas?

    ResponderExcluir
  3. Pois é Ju, ainda tem a visão jurídica...
    E a Igreja (com todo meu respeito aos católicos) também sempre se coloca como "a" religião...

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.