30 de ago de 2012

Uma Playlist bem especial

A cara da MPB mudou muito, de uns anos pra cá. E eu não gosto da cara nova dela. Entendo por MPB aquela música brasileira que toca nas rádios, nas novelas, e nos programas de auditório... que está na boca do povo, enfim. Para mim, isso é popular.
À medida que precisava atender minhas necessidades auditivas (não confundir com elitismo), fui deixando de ouvir rádio, ao mesmo tempo em que comecei a selecionar várias músicas de que gosto em mp3, inclusive as de MPB, mas em sua imensa maioria aquelas da "cara antiga", que tem estilo e conteúdo agradáveis aos meus ouvidos. A vantagem é que quase sempre só ouço o que gosto, e a desvantagem é que vez ou outra surge um talento nacional do qual não tomo conhecimento a não ser em programas que passam na madrugada, ou em sites especializados.

Aí recebo a sugestão de ouvir a playlist (clique e ouça no "Zuim") do "Sobre a Canção", excelente sítio-blog de Tulio Villaça, que me despertou a lembrança de um tempo não tão distante em que haviam festivais de música - MPB - que, mesmo tendo vencedores questionáveis, premiavam o público com muitas canções bem elaboradas e executadas. Bons autores e intérpretes surgiram nestas ocasiões, ou "na carona" delas. E a gente ouvia suas músicas nas rádios e na TV. Mas a geração contestadora que consumia e produzia música na ocasião era fruto de uma geração anterior, questionadora. A geração atual, ao contrário, é apenas consumidora, muito passiva frente a tudo que a rodeia, inclusive a música que, capitaneada por um empresariado sem compromissos com conteúdo, aproveita-se desta passividade para empurrar seus produtos valendo-se apenas da estética (ou moda) dominante atualmente.
E desta estética, eu também não gosto, embora compreenda e tente respeitar.

Desse modo, esta playlist me apresentou alguns nomes e/ou músicas que eu desconhecia, ou que apenas conhecia de nome; algumas surpresas boas, como Grande Poder com Deá Trancoso e Cor de Sol com Delia Fischer; e algumas gratas recordações de canções que perdi no tempo, como a bela Beira Mar, do valoroso Zé Ramalho e Que Bom, Amigo, com o grande Milton Nascimento.

Uns talentosos já deixaram este mundo, alguns continuam por aí, e outros novos continuam surgindo, mesmo com o mínimo espaço na mídia atualmente dedicado a eles. É preciso alguma boa vontade para procurá-los e poder desfrutar de suas obras.
Felizmente, ainda há quem nos dê dicas e aponte estes "caminhos", e faça a gente cotinuar crendo num amanhã, ao menos musical, melhor.

Que bom, amigo!

Um comentário:

  1. Pois é, Edu, acho que a Internet, pela própria característica de meio de comunicação, tem a vantagens do acesso quase ilimitado à informação e tal, mas tem o lado de limitar a surpresa. Se eu ligo um rádio, não sei o que vou escutar (com a previsibilidade atual das rádios, nem tanto). Mas na internet eu busco o que me interessa e pronto, o que pode limitar tanto o gosto musical quanto idéias políticas, por haver apenas o reforço de pensamento e limitar o contraditório, a informação oposta, a opinião diferente, o que pode ser até perigoso. Por isso, um negócio como o Zuim é legal, é um podcast, toda semana conheço coisas e me surpreendo lá. Adorei fazer o programa, porque estou vendo as reações das pessoas que, como você, lembraram de canções esquecidas ou conheceram novas. É pra isso mesmo. Abração.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.