2 de jun de 2011

Juliana, um gato qualquer e a minha insensibilidade

Um atropelamento, seguido de outro. Uma só vítima, um pequeno gato s.r.d. preto. Quem se importa? Os atropeladores? Não, mas Juliana, que não só providencia o socorro, como acompanha o bichano até o hospital, juntamente com uma amiga.
Na minha racionalidade habitual, pensei: é só um gato de rua; no lugar dela, eu deixaria para que alguém mais envolvido com as causas veterinárias o socorresse (desde que não fosse eu o atropelador, claro!).

Para completar, a inexperiência a fez levar o felino para a Policlínica-Escola de Veterinária de uma grande universidade particular, com campus em Vargem Grande, que diz prestar serviço à comunidade, mas cobra como se fosse uma clínica particular qualquer. Inexperiência porque o atendimento poderia ter sido feito em outras entidades por um valor bem menor, como na SUIPA , no  hospital veterinário da UFRRJ ou na Unidade Municipal de Medicina Veterinária da prefeitura carioca. A conta, bastante salgada, aflorou em todos da família o mesmo pensamento: “Se o gato ainda fosse de estimação...”. Querendo ou não, havia o compromisso, cuja não quitação acarretaria num processo movido pela tal universidade (coisa que nem assusta tanto hoje em dia, convenhamos).
Preocupei-me também com o fato de Juliana estar se tornando uma daquelas pessoas que amam excessivamente os animais, a ponto de abrir mão da convivência com a família e os amigos para ficar com os bichos. Respeito quem faça isto, mas como disse, entendo ser um excesso e, como tal, algo patológico e passível de tratamento.

Bem, como disse acima, minha racionalidade limitou minha visão para o que realmente merecia atenção: Juliana, além de ter a coragem de fazer o que a maioria de nós teria evitado fazer, ao socorrer um animal de rua “qualquer”, resolveu honrar sua parte da dívida contraída, mesmo com dificuldade para pagar. Simplificando: ela agiu com o coração, fez o que era ‘certo’, e assumiu as consequências de seu ato. Merece ser qualificada, e não criticada, por isso.

Estou orgulhoso de você, sobrinha querida! Resolvi tornar público o meu respeito e admiração (ainda maiores) por você.

Ah, o "Pretinho" foi operado, já teve alta e até arranjou uma enfermeira para adotá-lo.

2 comentários:

  1. Querido Edu,

    de rua ou de estimação, aquele bichano é um ser vivo que, fragilizado pelo atropelamento, precisava de ajuda. Independentemente de ser um gato de rua, um cão de raça ou uma pessoa (com ou sem pedrigree), a Juliana protegeu e ajudou um ser vivo em dificuldade.
    Parabéns à sua sobrinha!

    Bjs,
    Ju

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Ju Foch. Eu me disse insensível e que talvez tivesse virado para o lado e seguido meu caminho. Mas não me lembro de ter vivido uma situação dessas especificamente com animais, e nao sei realmente como eu agiria; com relação a humanos, já participei de um ou outro socorro a pessoas vitimadas na rua, mas nunca me senti (ou me coloquei como) protagonista do auxílio.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.