17 de nov de 2007

Cine / Vídeo: Tropa de Elite

Não faço questão de ver alguns filmes, particularmente aqueles em que diretores e roteiristas fazem questão de mostrar torpezas humanas em detalhes, como em “Jogos Mortais”, que nem sei como começa a história; o pouco que vi foi por mera curiosidade, e o final não me agradou nem um pouco.

Alguns familiares estavam vendo a versão... digamos, “não oficial”, de “Tropa”, quando passei pela sala e dei uma espiada. Sabia somente que o filme estava causando bochicho, e mais nada. Gosto de filmes policiais, mas não lembro de ter visto cenas tão realistas em nenhum outro filme do gênero, e isso fez com que eu me sentasse e acompanhasse mais da trama, e a visse mais tarde na íntegra.

Pela realidade que já mencionei, pelo fato de ser ambientado tão próximo a nós, por levar o espectador “para dentro da cena” e, particularmente, por ter um final “feliz”, achei um excelente filme. Mas é daqueles filmes dos quais levamos mais tempo para nos desligarmos. Pelo menos me senti assim; acho que por ter entrado “realmente” dentro das cenas. Como o vi tarde da noite, precisei a seguir de uns dois ou três episódios do desenho “A Pantera Cor de Rosa” para relaxar e dormir.

2 comentários:

  1. e ai Du,
    não posso comentar ainda posto que ainda não vi o tão comentado, de início tb repudiei a idéia visto que não me acrescentaria nada, mas agora com tanta gente comentando sinto-me na vontade de pelo menos assistir para saber se vou criticar positiva ou negativamente, de qualquer forma acredito que o cinema poderia ser tb utilizado para fazer alarde de coisas mais importantes para humanidade, por exemplo como fez o Al Gore com o filme "Uma verdade inconveniente". Inté

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a tua avaliação Edu, o grande destaque do filme é que o público, principalmente do Rio, se sente dentro da cena. O filme é bom a nossa realidade é que é vergonhosa!

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.