15 de nov de 2007

(Sobre a Copa 2006) De Reis, Imperadores, Fenômenos e... bolas!

Sinal de nobreza: O Rei do futebol, atleta do século passado, sempre tratou a bola com muito respeito. E soube quando parar.

Outro, argentino, genial por sinal, tentou a majestade, mas, que droga, ficou pelo caminho.

Difícil substituir o Rei. Deram um jeitinho de tentar driblar a importância do Negão: criaram um Fenômeno e até mesmo um Imperador. -Agora, vai!

Não foi. A nação, representada inclusive por um homônimo Rei, o da música, curvou-se, literalmente, ante o “espetáculo” ocasional de um outro candidato a Rei, um francês, que, embora sabendo exatamente quando ia parar - brincando inclusive de coroar o Fenômeno –, mostrou-se aquém da nobreza por não saber perdoar o inimigo italiano no momento da consagração.

O tal homônimo do Rei da música ficou sem saber o momento de parar. Ou de lutar, como seus companheiros do exército verde-amarelo. “Ordens do comandante”, diria ele no Show da Vida.

A impressão que se tem é que os mais majestosamente adjetivados heróis do futebol estão muito satisfeitos com o que já conquistaram ou com o que ainda podem conquistar pessoalmente, mas, curiosamente, nos seus planos não mais está incluída aquela a quem eles realmente devem tudo, principalmente respeito: a bola.

Edu Corrêa. Publicitário, indignado, mas não surpreso com o escrete canalhinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário. Concordando ou não com ele, provavelmente nos será útil, de alguma forma.